Médico argentino revela que Maradona foi enterrado sem coração

O ex-atacante Diego Armando Maradona, falecido em 25 de novembro de 2020, aos 60 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória, foi enterrado sem o coração, de acordo com médico e jornalista argentino Nelson Castro. A informação foi divulgada em entrevista ao canal “El Trece”, de Buenos Aires.

De acordo com o médico, torcedores do Gimnasia y Esgrima La Plata planejavam extrair o coração de Maradona.

“Houve uma movimentação de um grupo de Barra Bravas do Gimnasia y Esgrima La Plata que planejava arrombar e extrair o coração de Maradona. Não se concretizou, porque foi um ato de enorme ousadia. Descobriram que isso ia ocorrer, e então extraíram o coração”, disse o jornalista Nelson Castro.

Outro motivo, porém, influenciou a extração do coração de Maradona antes do enterro.

“O coração também foi extraído porque era muito importante para a determinação da causa da morte. Ele pesava meio quilo e era muito grande. Um coração costuma pesar 300 gramas. Era um coração grande não só porque ele era atleta, mas também pela insuficência cardíca que o ex-jogador sofreu”, justificou.

CARREIRA DE MARADONA

Maior ídolo esportivo da Argentina, ele nasceu no dia 30 de outubro de 1960 e cresceu no humilde bairro de Villa Fiorito, no subúrbio de Buenos Aires.

Campeão mundial em 1986, quando teve seu auge na Copa do México, tornou-se uma das figuras mais populares e controversas das últimas décadas. Ganhou em 2000 uma eleição popular feita pela Fifa na internet para eleger o melhor jogador do século 20. Com 53,6% dos votos, superou Pelé (18,53%) nessa enquete e levou um troféu da entidade, que conferiu também ao brasileiro um prêmio de melhor do século 20, só que em votação da “Família do Futebol”, um comitê montado pela FIFA.

Deixe um comentário

error: O conteúdo está protegido!